22 abril 2011

No Ar...Ep.14

In tha house vol. 1

gza - liquid swords
the 45 king - 900 number
ice cube - no vaseline
notorious b.i.g. - what's beef?
dj premier - you know my steez
beastie boys - brass monkey
raekwon - ice cream
method man - all I need
missy elliot - the rain (supa dupa fly)
arrested development - mr. wendal
nwa - express yourself
house of pain - fed up
blackstar - definition
jay- z - nigga what, nigga who
jeru the damaja - versus of doom
dj shadow - walkie talkie

14 abril 2011

No Ar...Ep.13

Dubstep anyone?

skream - midnight request line
kode 9 & the space ape - backward
burial - broken home
shackleton - mountains of ashes
king midas sound - meltdown
martyn + d-bridge - these words
the bug + warrior queen - poison dart
plastician + skepta - intensive snare
el-b - express
zomby - tarantula
benga - 26 basslines

13 abril 2011

Low - C´mon - 2011



Cá está ele, o novo álbum dos “Low”, o regresso dos violinos intitulado “C´mon”. Descritos como uma banda slowcore, para este novo trabalho a crítica tem afirmado que é uma espécie de “regresso à forma”. As minhas primeiras impressões de "C´mon" remetem-se para os princípios que a banda introduziu no "Great Destroyer", sintetizou-os para que o seu funcionamento seja mais melodioso. Denotam-se realmente algumas características do que é o meu álbum favorito “I Could Live In Hope”, o que por si é extremamente bom. Muito se fala da evolução que uma banda deve atingir, porém, por vezes, é esquecida aquela característica que faz alguém gostar de algo, neste álbum, esse esquecimento não existe.

“C´mon” é, sem dúvida, um álbum extremamente recomendável…

08 abril 2011

No Ar...Ep.12

Esta semana, após ver nas lojas as re-edições de 'Vs' e 'Vitalogy' no âmbito das comemorações dos 20 anos de carreira dos Pearl Jam, achei por bem dedicar um programa à sua musica, que tem sido, há 20 anos tambem, uma companhia da minha vida. Segue uma 'explicação' para as musicas escolhidas, que noutro dia, devido à longa e proficua carreira, poderiam certamente ter sido outras.

I´m Open - versão do album No Code, apenas o inicio da musica, para servir de intro.
Musica quase ambiental, no contexto Pearl Jam, vale pela tirada : 
'Trading magic for facts/no tradebacks/so this is what it's like to be an adult'

Soon Forget - versão do album Binaural
Quase um tema a solo de Eddie com o seu ukelele.
'Sorry is the man who trades he's soul for a corvette/Thinks he´ll get the girl/he'll only get the mechanic'

Satan´s Bed - versão do album Vitalogy
Rock classico, a abrir.
Na altura recebi o album com alguma desconfiança, era mais dificil e experimental que os anteriores.Parecia tambem mais calmo. Hoje, as musicas a abrir de Vitalogy estão sempre nos meus tops mentais de Pearl Jam.
'I've never slept in satan´s bed'

Whiping - versão do album Vitalogy
Mais uma rockalhada das que falava...
'Don't need a helmet/got a hard, hard head'
'Don't need a hand/there's always arms attached'

Leash - versão do album Vs
Mais uma a abrir, com letra de intervenção. Pouco tocada ao vivo, marcou presença no segundo concerto que vi, em 2006, para meu deleite.
'Drop the leash!get out of my fuckin' face''

Hail, Hail - versão do album No Code
Ainda mais uma rock.Em No Code, que fecha para mim o ciclo de 4 albuns obrigatorios dos Pearl Jam,as guitarras mudavam de som, mais bluesy, mais agrestes. Esta faixa dava o mote logo no inicio do album, depois de uma entrada calma.
'Hail hail to the lucky ones/I refer to those in love'

Just Breathe - versão do album Backspacer
Influencias do trabalho a solo de Vedder na banda sonora de 'Into The Wild', musica bastante calma, que iradia uma luz, uma esperança.a força da voz de Vedder.

In Hidding - versão do album yield
Musica a meio caminho entre os Pearl Jam mais rockeiros e os mais baladeiros. Neste registo intermedio, bastante dificil, uma das minhas preferidas.

Crazy Mary - Cover de Victoria Williams, com participação da propria, para o album de beneficiencia 'Sweet Relief' em favor da propria artista, que sofre de escleorose multipla.
Primeira cover da selecção, numa banda que sempre gostou de assumir as influencias e fazer versões.
Um grande tema, um dos meus preferidos de toda a carreira dos Pearl Jam, um dos favoritos do publico ao vivo tambem, o que para uma musica que nao consta dos albuns e assinalavel.

Masters of War - Cover de Bob Dylan, versão ao vivo de um bootleg, mas varias versões ao vivo espalhadas por registos oficiais.
Letra ultra politizada, contra os politicos e a guerra.Escrita no contexto do Vietname tem uma letra ainda(sera sempre?) actual. Com a voz de Vedder, incomparavelmente superior a de Dylan, ganha ainda mais força.
'You´ve thrown the worst fear/that could ever be hurled/the fear to bring children/into this world'
'Let me ask one question/is your money that good?/will it buy forgiveness/do you think that it could?/I think you will find/when your death takes its toll/all the money you made/will never buy back your soul/and I hope that you die/and your death'll come soon/I will follow your casket/in the aple afternoon/and I'll watch while you're lowered/down to your deathbed/and I'll stand on your grave till I'm sure that your dead'

25 Minutes To Go - Cover de Johnny Cash, presente no album ao vivo acustico Live at Benaroya Hall
Uma das muitas musicas de Cash sobre prisoneiros, neste caso um na fila da morte.Musica divertida, com o espirito country/folk/intervenção de Cash.

Porch - versão do album Ten
Por ser do primeiro album, pela letra, pelas performances ao vivo, a minha preferida. Vedder a subir as torres de iluminação do palco no Dramatico de Cascais em 96, ou a escrever no braço pro-choice, apoiando a liberalização do aborto no mitico mtv unplugged que foi finalmente editado oficialmente no ano passado na edição especial de Ten.
'Hear my name/take a good look/this could be the day/hold my hand/lie beside me/I just need to say: what can I take?/a just one day/I know that I would not ever touch you/hold you/feel you/ever hold/never again'

Eldery woman behind the counter in a small town - versão ao vivo no pavilhão atlantico, Lisboa 2006, original no album Vs
Para mim a musica mais emocional da carreira dos Pearl Jam, mais ainda porque desde bem cedo passou a ser cantada em unissono pelo publico dos concertos. Neste, no atlantico em 2006 eu sou um dos que diz 'I just wanna scream...hello!'

Baba O'Riley - cover dos The Who, versão ao vivo no pavilhão atlantico, Lisboa, 2006
Outra das covers mais repetidas ao vivo pelos Pearl jam, aqui no ja referido concerto que vi no atlantico. Marcou-me este final do concerto, ja depois de 2h de espectaculo, com o ultimo encore a ser feito ja com as luzes da sala acesas, criando uma comunhão ainda maior entre banda e publico. Por outro lado dei por mim a pensar que tinha a minha geração à minha volta...

All Those Yesterdays - versão do album yield
Pareceu-me perfeito para acabar esta selecção dos Pearl Jam escolher esta musica bastante calma, com influências obvias dos Beatles. Falar dos 20 anos de carreira e ter uma musica que fala de 'all those yesterdays' a acabar.Haverá melhor maneira?

Podem ouvir o programa aqui : 

Discografia (apenas albuns de originais) :
Ten, 1991
Vs, 1993
Vitalogy, 1994
No code, 1996
Yield, 1998
Binaural, 2000
Riot Act, 2002
Pearl Jam, 2006
Backspacer, 2009

06 abril 2011

guillemots - take me out (2006)

"(...) If I move, this could die.
If eyes move, this could die.
I want you to take me out!(...)"

04 abril 2011

tame impala - innerspeaker (2010)

"(...) There's a party in my head and no one is invited (...)
And you will never come close to how I feel (...)"

E chega à estante o fabuloso rock psicadélico australiano. Os Tame Impala trazem o que de melhor os Beatles cultivaram e os Pink Floyd regaram e os Led Zepplin adubaram para o David Bowie colher (não necessariamente por esta ordem e olvidando o fabuloso King Crimson de 69).

Adiante, sem as comparações estupidas do paragrafo anterior, cumpre dizer, a bem da verdade que não desportiva, que os Tame Impala se aproximam mais dos Olivia Tremor Control ou dos Neutral Milk Hotel...

Deixo-vos o fabuloso "solitude is bliss"...

03 abril 2011

spokes - "everyone i ever met" (2011)

Ora está aí mais uma formula vencedora, directamente de Manchester (what else?), o brilhante quintento pós-emo apresenta o mais recente álbum "everyone i ever met". A atentar...

01 abril 2011

the kills - "blood pressure" (2011)

A dupla infernal VV e Hotel voltaram em 2011 cheios de pujança e instinto sexual apurado, como já lhe haviamos reconhecido, quer ao vivo, quer em estúdio, numa desenvoltura própria dos grandes iconoclastas. Jodorowsky não acharia melhor banda sonora para "el topo" nem Pasolini acharia melhor dupla de actores para "il fiore delle mille e una notte". Contentamo-nos com o ego gigantesco da domino que continua a ter grandes nomes do alternavio actual.



E depois deste manifesto excesso de parvoíce. Ei-los de novo em 2011 espero que possa ve-los "numa sala perto de si".