26 março 2010

Importa-se de Repetir?

Ao ler o texto que todas as semanas introduz a mailing lust, belo nome para a newsletter da excelente loja discos lisboeta Flur (www.flur.pt) deparei-me com uma polemica que desconhecia.
Já tinha conhecimento da morte de Mc Snake, rapper de Chelas, Lisboa, conhecido por ser colaborador de Sam The Kid. Ao que parece Snake ignorou os sinais da policia numa operação stop e acabou baleado mortalmente na perseguição que se seguiu.
O que o texto da Flur realça são as reacções que se seguiram. Mas o melhor sera verem o(s) texto(s) :

Flur:
" agora:

a polémica em torno da morte de mc snake
gerou um pedaço de escrita repugnante:

http://dn.sapo.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=1524407&seccao=Alberto%20Gon%E7alves&tag=Opini%E3o%20-%20Em%20Foco

bastante comentado ao longo desta semana que passou.
mais esclarecidamente do que nós fariamos,
eis o que se escreveu em resposta:

http://www.33-45.org/?p=833

o texto de alberto gonçalves evidencia o seu tipo de pessoa,
também revelado aqui:

http://ladieslovecoolr.blogspot.com/2010/03/mais-alberto-goncalves.html

desculpem os mais sensíveis,
mas o bom de tudo isto é ficarmos realmente a conhecer a realidade que nos circunda
e as pessoas que fazem parte dela.
muito melhor do que tentar bloquear opiniões,
é importante deixar toda a gente expressar-se através dos veículos que têm à disposição.
isso torna fácil escolher as paixões e ódios que decidem frequentemente os passos que damos.
rodrigo nogueira resume tudo muito bem quando escreve
"O mundo de Alberto Gonçalves é um mundo onde eu não quero, de todo, viver.". "

Os links estão acima mas achei tão grave que tive que transpor os 2 primeiros para os bons meninos...

O primeiro: (o engraçado é que este artista escreve no DN...)

O 'hip hop' também mata
por ALBERTO GONÇALVES 21 Março 2010

Não tenho grande coisa a dizer sobre a morte, a tiros da PSP, de um morador de Chelas chamado Nuno Rodrigues e (moderadamente) conhecido por MC Snake. Não testemunhei a desobediência do sr. Rodrigues à paragem da polícia nem a perseguição subsequente. Apenas me parece que a execução sumária é uma resposta desproporcionada, e que as autoridades fariam bem em investigar o caso e, já agora, em reorientar o zelo de alguns dos seus agentes.
Mais fáceis de descrever, e mais extraordinárias, são as reacções à morte do sr. Rodrigues. Houve-as de dois tipos. As de júbilo notaram--se principalmente nos comentários da Internet, onde multidões de anónimos exibiram puro ódio a um sujeito de que nunca ouviram falar até às notícias do respectivo fim, as quais incluíam referências a uma temporada na prisão por tráfico de droga. A brutal expressão "Não faz falta nenhuma!" resume o sentimento desta, digamos, corrente de opinião.
As reacções de pesar não foram menos curiosas. Ao contrário dos familiares, de uma contenção apreciável dadas as circunstâncias, a maioria repetiu a tese de que o sr. Rodrigues morreu por ser preto, pobre, rapper e, aos olhos da polícia, um estereótipo. É possível, embora a responsabilidade pelo estereótipo caiba inteirinha ao sr. Rodrigues.
O rap ou o hip hop que o sr. Rodrigues praticava não o transformava no "músico" referido em diversos obituários. No seu primarismo, o hip hop tem pouco a ver com música e muito a ver com uma atitude de confronto face a uma sociedade que é, ou que se imagina, discriminatória. É, vá lá, um estilo de vida, traduzido à superfície no vestuário ridículo e nos gestos animalescos. E nas letras das "canções" (?). As letras, que certa "inteligência" considera "poesia das ruas", são, além de analfabetas, manifestações de rancor social. Por norma, são também glorificações do crime e panfletos misóginos.
O hip hop nasceu na América enquanto braço "musical" e tardio do black power, como os blaxploitation movies dos anos 1970 constituíram o seu reflexo "cinematográfico" (as aspas não são fortuitas). O princípio, se é que tais misérias possuem um, é o de que a "identidade negra" somente se define contra o "sistema", numa postura de desafio e fúria que a "inteligência" julga legitimada por uma suposta opressão. Vale a pena lembrar que, em tempos realmente opressores, os pretos inventaram o jazz, um dos maiores contributos da América para a humanidade. E vale a pena lembrar o exemplo de Louis Armstrong, um génio que os "radicais" achavam o paradigma do "traidor". Tudo porque, tendo sofrido na pele a discriminação, Armstrong preferiu combatê-la pelo talento e não agravá-la através de inanidades gritadas por cima de uma caixa de ritmos.
Obviamente, o hip hop é principalmente uma invenção das indústrias discográfica e televisiva, e não traria mal ao mundo se o mundo não se deixasse influenciar por semelhante patetice. Infelizmente, do Bronx a Chelas, essa celebração da boçalidade é erguida aos currículos escolares e milhões de jovens tomam-na por "afirmação". Na verdade, é o inverso: o hip hop é a sujeição dos pretos ao que o "multiculturalismo" em vigor deles espera. Ao trocar a literatura pela "poesia das ruas", a música pelo ruído, a educação pela agressividade, o esforço pela automarginalização, a única afirmação do hip hop é a da inferioridade. Se levado a sério, o paternalismo condescendente limita os membros de uma etnia a uma existência parcial nas franjas da legalidade. E não anda longe do folclore abertamente racista.
É claro que incontáveis pretos não engolem estas patranhas, e que vários intelectuais "afro-americanos" (o termo em voga), de Thomas Sowell a Thomas McWhorter, exprimem com frequência a repulsa que o atraso implícito e o "segregacionismo" assumido do hip hop lhes suscitam. Ou, nas palavras do historiador Stanley Crouch, "quem no seu perfeito juízo daria um bom emprego a 50 Cent (uma das vedetas do género que ainda não tiveram morte violenta)?"
Ninguém. O sr. Rodrigues, ou sr. "Snake", escolheu o seu próprio estereótipo. O que a polícia fez depois terá sido injustificável, mas não totalmente imprevisível.
Domingo, 14 de Março

Depois o Rui Miguel Abreu (RESPECT!) escreveu :

Em resposta à crónica «O ‘hip hop’ também mata» de Alberto Gonçalves publicada no DN :

Quem no seu perfeito juízo daria emprego a Alberto Gonçalves? A pergunta pode parecer despropositada, sobretudo para quem, como eu, não fazia sequer a mais pequena ideia da sua existência. Esse estado de graça foi, no entanto, profundamente abalado quando há menos de uma hora uma pessoa, igualmente desconhecida, mas certamente preocupada, teve o cuidado de me fazer chegar ao conhecimento a pateta crónica «O ‘hip hop’ também mata» assinada, precisamente, pelo senhor Alberto Gonçalves. O que fará tal senhor na companhia de tão ilustres cronistas quanto Adriano Moreira, António Perez Metelo ou António Vitorino desconheço. Provavelmente, e a julgar pelo já referido texto, não terá obtido o cargo das mãos de alguém «no seu perfeito juízo».

O conservadorismo de direita bacoco e retrógado é indisfarçado nas entrelinhas desta crónica, como nas de outras que tive o cuidado de ir procurar – afinal de contas o problema que revela ter com o hip hop não é muito distante do que expõe em relação a quem ousa fugir a uma norma imaginária de decência: como Daniel Day Lewis que usou argolas nos Óscares ou a premiada na categoria de Melhor Argumento que «possuía tantas tatuagens quanto os ferimentos de guerra de John McCain» (tiradas de elevadíssima moral a que tive acesso por via de uma reacção do blogue Arcebispo de Cantuária a uma crónica de Alberto Gonçalves publicada na revista Sábado – e parecem ser abundantes os empregadores com baixo grau de «perfeito juízo»…).

Na crónica «O ‘hip hop’ também mata», Alberto Gonçalves começa por dissecar as reacções à mediatizada morte de Nuno Rodrigues, o MC que adoptou o nome Snake, para depois declarar, com a propriedade omnisciente de quem se coloca num plano superior, que se há quem defenda que essa morte se deve a um estereótipo a verdade também é que «a responsabilidade pelo estereótipo cabe inteirinha ao sr. Rodrigues». Eu não conhecia o senhor Nuno Rodrigues e pouco conhecia do MC Snake. No entanto nunca ousaria presumir conhecer quais as escolhas que tanto o homem como o MC fizeram em vida. Certezas tenho em relação à sua condição: sei que não escolheu a cor de pele com que nasceu, nem o bairro em que cresceu ou as oportunidades e obstáculos com que se deparou. Não sei sequer se terá escolhido o hip hop ou se terá sido o hip hop a escolhê-lo a ele. Sei é que se por acaso Snake se encaixava em algum estereótipo isso não terá certamente sido resultado de uma escolha. Ninguém escolhe ser uma casualidade, uma estatística ou um número. E quem escolhe o hip hop almeja sempre a superação e a sobrevivência – ou seja, a fuga ao estereótipo, a recusa de ser uma mera entrada num catálogo estatístico qualquer.

O senhor Alberto Gonçalves dedica depois boa parte da sua crónica a debitar uma série de lugares comuns sobre o hip hop. Que é primário, que não é música, que é confrontacional, escreve. «É, vá lá, um estilo de vida, traduzido à superfície no vestuário ridículo e nos gestos animalescos». A foto disponível no cabeçalho da coluna «Dias Contados» (vale a pena explorar os arquivos desta coluna num exercício que é mais ao menos o equivalente a um mergulho nos mares do Japão, tal a quantidade de pérolas que se encontram), onde se publicou esta crónica, é ínfima, mas ainda assim revela que o senhor Alberto Gonçalves pertence aquela classe-cinzenta-do-blazer-azul-escuro-usado-sobre-camisa-azul-um-pouco-mais-claro-sem-gravata-que-um-homem- não-tem-que-sofrer-todos-os-dias. Vestuário uniforme ridículo, claro, nesse degradé tão mortiço que, afinal de contas, só reflecte uma visão mesquinha da vida, animalesca de tão predadora, de tão selvaticamente empedernida.

O senhor Gonçalves prossegue depois com o seu exercício de ódio, apontando as suas farpas às letras, num toureio cego: «As letras, que certa “inteligência” considera “poesia das ruas”», escreve, «são, além de analfabetas, manifestações de rancor social. Por norma, são também glorificações do crime e panfletos misóginos». O retrato do senhor Gonçalves contido nestas linhas é tão claro que a tentação de as deixar sem resposta é grande. Duvido sinceramente que tenha ouvido todo o hip hop, única forma de justificar tamanha acusação. Esta imagem, formada à pressa depois de visionar meia dúzia de clips no YouTube, é no entanto clara na forma como realça os medos primários e injustificados que parecem existir no íntimo do senhor Gonçalves.

Segue-se um extraordinário parágrafo onde Alberto Gonçalves inventa uma nova genealogia para o hip hop, «braço musical tardio do black power», afirma. Explica o senhor que a «”identidade negra” somente se define contra o “sistema”, numa postura de desafio e fúria que a “inteligência” julga legitimada por uma suposta opressão». Cada uma destas “preciosidades” mereceria em si uma longa refutação, mas optando pela mesma estratégia telegráfica e sabichona do senhor Gonçalves, permito-me apenas dizer que o Black Power influenciou muito mais uma senhora como Nina Simone, que imagino que faça parte da sua colecção politicamente correcta de cds (deixe-me adivinhar, além de um best of com o menos bom de Nina Simone terá o quê? Um ou outro Dylan para impressionar amigos de esquerda, Rui Veloso, música clássica genérica, ópera para justificar a sobranceria musical, um Chico Buarque que secretamente não compreende mas que acha que lhe fica bem e que mais?), do que os pioneiros Afrika Bambaataa e Grandmaster Flash (nomes ridículos, já sei…) que em meados dos anos 70 estavam muito mais preocupados em fazer a festa do que a revolução. E depois, claro, vem o exemplo Uncle Tom do Louis Armstrong, o preto que se portava bem e até cantava a plenos pulmões como o mundo era bonito, coisa que Rosa Parks não percebia lá muito bem.

O bem informado senhor Gonçalves diz depois que o hip hop é uma invenção da indústria discográfica e televisiva, coisa difícil de compreender quando os livros de história nos revelam que as editoras demoraram a acordar para esta força cultural e que a televisão – a MTV – só depois de esgotar o apelo das cabeleiras carregadas de laca do hair metal de Los Angeles é que decidiu explorar as avenidas de Nova Iorque, já os anos 90 iam bem lançados. Segue-se a colocação das coisas em perspectiva usando uma ideia de contrastes que opõe literatura (qual? a de Margarida Rebelo Pinto?) à “poesia das ruas” (as aspas são do senhor Gonçalves, pois claro), que opõe música ao ruído (qual? o de Stockhausen?), educação (qual? a das escolas degradadas, mal equipadas?) à agressividade… Bocejo.

A estocada final na tentativa de diminuição do hip hop conduzida por Alberto Gonçalves chega com a procura de legitimação das suas opiniões extremadas junto de dois (Uncle) Thomas – Sowell e McWhorther – vozes dessa rara espécie de negros republicanos e conservadores que se pudessem usavam chapéus de cowboy o tempo todo e acompanhavam as digressões inteiras de Garth Brooks. E depois vem a citação de Stanley Crouch sobre 50 Cent que me forneceu o mote para o arranque desta resposta: «quem no seu perfeito juízo daria um bom emprego a 50 Cent?». Num parêntesis, Alberto Gonçalves tem o cuidado de referir que 50 é «uma das vedetas do género que ainda não tiveram morte violenta» porque, como sabemos todos, no rock toda a gente se reforma e morre de velho. Mas talvez isso só não tenha acontecido por 50 ainda não se ter encontrado com o próprio Stanley Crouch, crítico e historiador conhecido por esmurrar quem dele discorda. E, claro, por ser um defensor desse outro elevadíssimo e progressivo negro que é Wynton Marsalis, homem que acha que o jazz pertence aos museus e que devia ser música de reportório onde esses tipos modernos que fazem dos trompetes e saxofones fontes inesgotáveis de barulho não deveriam ter lugar.

Face a isto, temo até em imaginar como terão sido as conversas de café do senhor Alberto Gonçalves por altura do arrastão, esse outro fenómeno de estereótipos em corrida livre pelas praias alvas da imaginação de outros Gonçalves desta vida. Será que não percebe, senhor Alberto Gonçalves, que o estereótipo é o que tem à sua frente, no espelho?

Rui Miguel Abreu

Que cada um pense o que quiser mas saber que um jornal 'serio' deixa sair um texto destes no 'ano do senhor de 2010' em plena europa(será?) dá que pensar...

Voltando ao Sam The Kid :

'Mais, editoras e jornais, e esses tais intelectuais,
não percebem rimas, só instrumentais/
Eles pisam no rap d'ouvidos tapados,
mas eu volto com mais força tipo pelos rapados'

Word!

my awesome mixtape - how could a village turn into a town (2009)



excelente!!!! obrigado...

21 março 2010

Sofa na Sala 2, depois da garagem.

Há 3 anos, tocaram na garagem da mesma casa da musica onde desta vez ocuparam a sala2. Na minha mente tinha sido há mais, mas o vocalista e uma rapida consulta goggliana confirmaram. Desde entao terminaram o sucessor de 'Sofa Surfers' de seu nome 'Blindside'. Pela amostra parece ser uma viragem ainda maior para as canções de pendor rock. Mani Obeya, o tal vocalista, está mais à vontade e tem voz e carisma de palco. O concerto é focado nas musicas novas e nas do anterior, o primeiro com Mani. Gostei do concerto, mas tenho saudades dos Sofa Surfers dos noventa, em concertos no Sá da Bandeira ou Hard Club, mais fumarentos, mais escuros, longe da bem comportada geração betadine que povoa regularmente a Casa, por vezes mais preocupados em mostrar a nova t-shirt do que em ouvir a musica, sobretudo se não a conhecem já. Deu pena ver tanta gente a sair entre o inicio e o fim do concerto. Ficaram, suponho, os mais fortes para serem presenteados com um cheirinho desses Sofa mais antigos, dub narcotico, repetitivo, misturado com um pos-rock forte e alguns pozinhos de hip-hop. 'Elusive Scripts' do album 'Encounters' foi absolutamente brutal com as participações de Dalek e Devi via ecra a juntarem-se aos devaneios em palco.
Mais um bom concerto. Não parecem saber ser maus em palco e creio que de facto ha uma boa relação entre a banda e o Porto. Serão a unica banda que ja tocou ca mais que em Lisboa?
Até por isso não contava com o preço do novo album na zona do foyer no final do concerto. 17 euros? Para isso espero pelo Amazon ou Play.com e sai mais barato...
E já agora uma palavra para a Casa da Musica e para a Optimus e os seus Clubbings. Se a plateia nem sempre é a melhor, tambem é verdade que nesta sala2 ja estiveram este ano Spank Rock ou Lindstrom, como antes Lcd Soundsystem, The kills, Vampire Weekend ou Vitalic. Para o proximo mes vem os Sonics e fora do ambito do Clubbing ja tivemos Tony Allen e os Yo La Tengo e vamos ter por exemplo XX. Nada mau para pessoal que sai da sala...

11 março 2010

Play it again Sam!

Não resisto a divulgar para quem não conhece o site play.com, uma especie de amazon, com a vantagem de ter todos os preços em euros e de ter portes de entrega gratis em todos os items.
No play.com, por exemplo, os novos de Massive Attack e Gorillaz estão a 11.99 euros cada, bem longe dos 17/18 euros a que os encontramos ca em Portugal nas Fnacs e afins. E são entregues em casa, sem obrigar a uma deslocação a um qualquer shopping bafiento...
Depois nos cds/dvds mais antigos então é a loucura com uma selecção enorme de boa musica/filmes na ordem dos 5/6 euros.
Espreitem...

www.play.com

03 março 2010

Sofa Surfers

Na Casa da Musica, dia 20 de Março vão estar os Sofa Surfers para apresentar 'Blindside', o novo album com saida prevista tambem para Março. Este video é ainda do anterior 'Sofa Surfers', o primeiro com o vocalista Mani Obeya na formação. Os outros são Michael Holzgruber, Markus Kienzl, Wolfgang Frisch e Wolfgang Schlögl. Estes dois ultimos lançaram recentemente albuns a solo, juntando-se as experiencias de Kienzl como I-Wolf, ja com dois albuns editados. Um projecto deveras interessante que sigo desde o primeiro 'Transit' de 1997.