22 janeiro 2010

lhasa de sela (1972-2010)

Desapareceu mais uma das fenomenais vozes da musica internacional. Além de chocado estou profundamente triste. Já haviamos falado dela há algum tempo aqui na estante (pela mão do Mourita...)

Só me oferece dizer...

"Llorando
de cara a la pared
se apaga la ciudad

Llorando
Y no hay màs
muero quizas
Adonde estàs?

Soñando
de cara a la pared
se quema la ciudad"

A obra perdurará para sempre. Sem dúvida. Obrigado Lhasa.

Fila C, Lugar 31

Pois é, os XX, que rapidamente se transformaram num fenomeno de sucesso em Portugal (algo a fazer lembrar outros casos como dEUS, Morphine ou Portishead...pena não haverem mais, para concorrerem com Amalias Hojes, Davids Fonsecas, Keanes e afins...) esgotaram rapidamente os seus dois concertos por cá. Eu vou estar na Casa da Musica, dia 26 de Maio. Uma das que quero e irei ouvir de certeza é esta 'Vcr', que tem direito a este video oficial :

20 janeiro 2010

XX / Matthew Dear

Os XX, que estão de visita a Portugal em Maio, vão ter uma edição limitada de 500 copias em vinil do album de estreia. Um dos premios desta edição é um segundo vinil com a excelente remistura de 'Vcr' por Matthew Dear, um dos mais inventivos produtores de electronica do momento, responsavel pelo excelente 'Asa Breed' de 2007. Podem ouvir atraves deste link :

http://hypem.com/track/1017240%20#thexx

depois é so carregar no play que aparece no cimo da pagina e aguardar um pouco...

Hot Chip

Os 'Lcd' ingleses, os Hot Chip estão a preparar o regresso, com o novo album 'One Life Stand' anunciado para 8 de Fevereiro. O single de avanço, com o mesmo nome do album ja tem video e esta aqui:



Tambem já ha umas datas de tour, mas infelizmente sem Portugal para ja. Sera que ainda não é desta que os vemos live como aqui:



Para o fim, uma brincadeira que membros dos Hot Chip(nomeadamente o vocalista Alexis Taylor) fizeram com o rapper da cena grime inglesa Wiley. O tema 'Wearing My Rolex' acabou por se tornar num enorme exito de critica, publico e dance scene em Inglaterra. Video aqui :

19 janeiro 2010

marina and the diamonds - "the family jewels" (2010)

A pedido de várias famílias...

"You've been acting awful tough lately
Smoking a lot of cigarettes lately
But inside, you're just a little baby
It's okay to say you've got a weak spot
You don't always have to be on top
Better to be hated than love, love, loved for what you're not
You're vulnerable, you're vulnerable
You are not a robot
You're loveable, so loveable

But you're just troubled
Guess what? I'm not a robot, a robot"

17 janeiro 2010

good shoes - "no hope, no future" (2010)

Eis que estão de volta em "vinte dez" com novo álbum uma das minhas bandas preferidas de terras de sua majestade. Não, não é pela parecenças físicas entre mim e o Rhys Jones que vos falo dos Good Shoes mas pela ansiedade que rodeia este segundo álbum após o magnifico lançamento de 2007 "Think before you speak".

Como se sabe segundos nunca são melhores do que os primeiros e há uma teoria sobre a morte de bandas que ao segundo álbum não aguentam as promessas feitas no primeiro e... desaparecem.

Espero sinceramente não ser este o caso.

Enfim deixo-vos o single de estreia e a certeza de que estes rapazinhos de Morden estão de boa saúde e para ficar.

Under control (não não é a musica dos strokes...)


14 janeiro 2010

Martyn

Nos caminhos cada vez mais vastos do dubstep, afirma-se cada vez mais Martyn, de quem haverei de falar um pouco mais aqui. Com varios trabalhos em diversas editoras lançou em 2009 o excelente album 'Great Lenghts' e começa 2010 com mais um tomo da serie Fabric, uma referencia em mix-cds.
Um senhor a seguir...Não tem videos mas fica aqui um belo tema...

31 anos...

...Fiz eu recentemente. Em 79, quando nasci, estava a ser feito um dos melhores albuns de sempre, na minha opinião. Um caldeirão de referencias que vão do dub e do reggae ao punk e ao rock, aproveitando tudo pelo meio e juntando-lhe o activismo das letras que da pelo nome de 'London Calling'. Os seus autores, os Clash, que segundo Zé Pedro, por exemplo, deram origem ao nascimento dos Xutos & Pontapes. A lista de fãs famosos é imensa e ainda bem. Este é um album que nunca morrerá. No final de 2009 saiu uma edição especial a preço simpatico que engloba o cd mais um dvd com imagens da gravação. Um parente pobre da edição dos 25 anos que possuo que ainda tem um 2º cd com musicas incompletas, lados b, etc.
Mas seja qual for a edição (tenho tambem o vinil...obrigado Pi!) o importante é ouvir com atenção este senhor album. Que devia inspirar as bandas de hoje com a coragem que uma banda que estava no auge do sucesso teve para abandonar o seu som punk inicial e abraçar todos os sons. Aos Clash nunca ninguem chamou de vendidos, simplesmente porque eles eram puros, verdadeiros, unicos.
Aqui ficam eles em toda a sua gloria live, com 'Train in Vain', que encerra o album.
Amen.

13 janeiro 2010

Versus - My Girls

Animal Collective - My Girls



Taken By Trees - My Boys

09 janeiro 2010

Novo álbum de Massive Attack - Heligo Land



Já se encontra o novo álbum de Massive Attack intitulado “Heligo Land”. Pelo pouco que pude ouvir deste álbum, pois ainda não tive tempo para o explorar convenientemente, considero que é um álbum obscuro, de qualidade atenção, embora lhe falte uma certa magia dos tempos do “Blue Lines” ou “Protection”, segue a vertente do EP lançado há uns meses. Como colaborações temos o habitual Horace Andy, a excelente aquisição da Martina, bem como Damon Albarn, Guy Garvey e Tunde Adebimpe. Passando música a música.

O álbum inicia com o que para mim é uma das melhores músicas, “Pray for rain”, com uma melodia hipnotizante na voz de Tunde Adebimpe, e, um surpreendente final, uma espécie de luz ao fundo do túnel num ambiente negro…

A segunda música está ao encargo de Martina, “Babel” permite-nos embalar a cabeça ao som de batidas suavemente aceleradas, no entanto a música contém poucas alterações desde o seu começo, no entanto, ou não fosse seguidor da banda desde 1991, é algo a ouvir.

Entra pela primeira vez Horace Andy, com “Splitting the atom”, música já conhecida do EP, o que que pode dizer é que inevitavelmente, sempre que ouço o Horace Andy vejo imediatamente o “Blue Lines”, mesmo que aqui não exista resquício desse tempo… é uma música interessante, sonorizações de excelente qualidade, mas espera-se sempre por algo mais que não chega exactamente a acontecer…

“Girl I love you”, a segunda e última música de Horace Andy, aqui sim, sem duvida uma das mais fortes do álbum, bem conjecturada de inicio ao fim, é impossível deixar de ouvir esta música, recomendável em qualquer altura, é caso para dizer, F*#@-*&, excelente…

“Psyche”, novamente Martina, interessante, de relevo, a voz magnificente que acompanho desde 1995…

“Flat of the blade” transporta-nos para um outro local, para um outro mundo onde a solidão impera, porém, na solidão reside o âmago das coisas, embora não pareça Massive Attack, gostei…

“Paradise circus”, até ao momento para mim a melhor do álbum, magnifica, simplesmente penso que existem músicas que ficam na mente e que passamos um dia inteiro à espera de poder chegar a casa para ouvi-la novamente, esta música é uma dessas extraordinárias, muito bom…

“Rush minute” dá-nos a sensação de que o tempo voa, 3 D a cantar e digo que embora custe um bocadinho sentir a desenvoltura da música, ela está lá e bem presente, interessante…

“Saturday come slow” com Damon Albarn, uma música fortíssima que quando atinge o seu términos ficamos a desejar mais. Tem picos de verdadeira classe como apenas Massive Attack consegue proporcionar…

Por fim, “Atlas air”, considero que é uma música demasiadamente extensa, são quase oito minutos de experimentação tecnológica recomendável, mas embarca em monotonia, no entanto, bastante recomendável…

Espero que fique o desejo de ouvir este álbum aos leitores, sei que quando lerem poderão julgar que apenas falo bem do álbum, lamento se não consegui a verdadeira imparcialidade exigida, no entanto para amantes do estilo, julgo que quando ouvirem o álbum não ficarão desiludidos… porém não se iludam, não é o melhor trabalho deles, mas a meu ver é extremamente mais bem conseguido do que o “100th Window”, é notória a exploração de outros campos e de louvar a evolução que demonstram. Em suma, um álbum que recomendo vivamente.

05 janeiro 2010

A minha selecção da década transacta

Antes de prosseguir com a selecção do que para mim foram os melhores álbuns desta década transacta, deixo os meus votos de um excelente ano a todos os leitores e colaboradores desta estante que evita a poeira imanente em cada recanto.
Segue então a minha escolha de uma década que assistiu ao nascimento de variadas bandas extraordinárias que captaram a minha atenção em diversos momentos, em diversas alturas...

1- Nitin Sawhney – “Beyond Skin”
2- St Germain – “Tourist”
3- Hooverphonic – “The Magnificent Tree”
4- The XX – “XX”
5- Zero 7 – “Simple Things”
6- Everybody Loves Irene – “The First Thing You Must Learn About Flying is Gravity”
7- Tika – “Frozen Love Songs”
8- Primal Scream – “Xtrmntr”
9- Kanute – “Standing Room Only”
10- Coldfinger – “Lefthand”
11- Ilya – “They Died For Beauty”
12- The Strokes – “Is This It”
13- St Vincent – “Marry Me”
14- Bonobo – “Days To Come”
15- Goldfrapp – “Felt Mountain”
16- Oi Va Voi – “Laughter Through Tears”
17- Puracane – “Things You Should Leave Alone”
18- Violet Indiana – “Roulette”
19- All India Radio – “Permanent Evolutions”
20- Alpha – “Stargazing”
21- Lcd Soundsystem – “Lcd Soundsystem"
22- Boozoo Bajou – “Satta”
23- Beck – “Modern Guilt”
24- Franz Ferdinand – “Franz Ferdinand”
25- White Stripes – “Elephant”
26- Cat Power - "The Greatest"
27- MGMT - "Oracular Spectacular"
28- Depeche Mode - "Playing With Angels"
29- Santamonica – “Curiouser And Curioser”
30- UNKLE – “Never Neverland”
31- The Legendary Tigerman – “Femina”
32- Radiohead – Kid A
33- The Album Leaf – “One Day I´ll Be On Time”
34- Royksopp – “ Melody AM”
35- Milù – “Longing Speaks With Many Tonges”
36- Kohiba – “Nice Traps”
37- Dj Shadow – “The Private Press”
38- Britania – “Vrashenie”
39- Electrelane – “No Shots No Calls”
40- Feist – “The Reminder”
41- Sneaker Pimps – “Bloodsport”
42- Leila – “Blood Looms And Blooms”
43- Barry Adamson – “The King Of Nothing Hill”
44- Sigur Rós – “Takk”
45- Cinematic Orchestra – “Everyday”
46- Micatone – “Nine Songs”
47- Nine Horses –“ Snow Borne´Sorrow”
48- Archive – “You All Look The Same To Me”
49- Silent Poets – “To Come”
50- Ruby – “Short-staffed At The Gene Pool”

Uma vez mais, um excelente ano a todos e espero ansiosamente pelas novas criações que tanta falta nos fazem...

03 janeiro 2010

2000 - 2009 pt 2

Os dez mais da década são então, para mim, estes :

10 - Radiohead - Amnesiac - 2001

Devia ter saido logo junto com 'Kid A' e juntos seriam de longe a melhor obra dos Radiohead. Uma das bandas da decada, para muitos a melhor, entraram na decada empurrados pelo sucesso comercial e critico de 'Ok Computer' e viraram as regras do avesso ao arriscarem uma mudança radical nas suas cordenadas abraçando a electronica de bleeps e cuts. 'Dollars and Cents' continua a ser das minhas preferidas.

09 - Animal Collective - Merryweather Post Pavillion - 2009

Começaram em 2000 e ainda não abrandaram. 8 Albuns e mais uns quantos eps, um deles a terminar 2009, com algum material a fazer crer que o melhor deles esta ainda para vir. Para já este é o melhor deles e é muito bom.

08 - Primal Scream - Xtrmntr - 2000

Quando 'Xtrmntr' foi lançado já tinham 15 anos de carreira e nove anos tinham passado sobre a obra-prima 'Screamadelica'. Decidem então embarcar numa nova viragem de som, que antecipa grande parte do que a febre electro que se seguiu na decada andou a tentar fazer sem o conseguir com resultados tão bons. Uma banda de culto.

07 - Lcd Soundsystem - Sound Of Silver - 2007

James Murphy continua a sua aventura pelos suspeitos sons disco e faz uma obra magnifica. Contem 'All My Friends', uma faixa intemporal, que sozinha merecia a chamada ao top.

06 - Arctic Monkeys - Whatever People Say I Am, That's What I'm Not - 2006

Uma grande surpresa que se tem revelado uma certeza o talento de Alex Turner para a escrita de canções. Não é que nunca mais tenha chegado a este nivel mas a surpresa de ouvir 'I Bet You Look Good on the Dancefloor' , 'Fake Tales of San Francisco' ou a sublime 'A Certain Romance' não se consegue repetir. Um talento a seguir ja em Fevereiro no Coliseu.

05 - The Streets - Original Pirate Material - 2002

Mike Skinner, cerebro do projecto gosta de 'roach a spliff watching tv', jogar playstation, é um miudo de cidade, que a observa e tenta perceber. Um como eu em 2002. Um como muitos.
Mas este fez esta peça, um dos mais honestos e directos manifestos sobre a vida actual. Um album que pega nos sons urbanos ingleses e os leva para outros niveis. Chamaram-lhe erradamente grime, como antes trip-hop aos Massive Attack, Tricky ou Portishead. É apenas grande musica.

04 - Dizzee Rascal - Boy In Da Corner - 2003

Este sim, um dos porta-estandartes do movimento grime ingles, mas um que joga apenas com as suas regras como o mostram as recentes opções de fazer musicas para pistas de dança, algo impensavel para quem ouvia este album furioso em que Dizzee se revela o mc mais creativo da decada cuspindo em todas as direcções. Feito com 18 anos e com metodos não muito acima do rudimentar consegue ser totalmento inventivo tambem em termos sonoros, antecipando por exemplo parte do som dubstep ou das misturas sonoras operadas por gente como M.I.A., Diplo, Switch ou em Portugal os Buraka Som Sistema ou Macacos do Chines.

03 - Lcd Soundsystem - Lcd Soundsystem - 2005

Não será melhor obra que 'Sound of Silver' em termos de união, mas o facto de ter saido primeiro e de conter um 2ºcd que continha os singles anteriores como' Losing My Edge' ou 'Yeah' juntando--as a 'Tribulations' ou 'On Repeat' do album propriamente dito ditou a minha escolha. Ainda espero muito deste senhor.

02 - Radiohead - Kid A - 2000

Valido tudo o que disse para 'Amnesiac' para esta obra ambiciosa. Tudo e ainda que este saiu um ano antes e foi surprendente ouvir logo a abrir 'Everything in it's Right Place' e verificar que tudo estava afinal mudado no mundo de Tom Yorke e companhia.
Além disso e muito mais há 'Idioteque' talvez a melhor maneira de ainda hoje ilustrar esta decada.

01 - The Strokes - Is This It - 2001

O facto de ter sido o album que mais vezes ouvi na decada contribuiu.
Ter pouco mais de meia hora e nenhum ponto baixo tambem.
Tiradas de Julian Casablancas como ' You say you wanna stand by myside/darling your head's not right' tambem.
Ser rock do melhor de sempre, e ter-me voltado a fazer querer ouvir rock tambem.
Te-los visto ao vivo e constatar que são fantasticos tambem.
Mas principalmente foram 'Modern Age', 'Barely Legal', 'Someday', 'Last Nite', 'Hard to Explain' ou 'Take It or Leave It'.
Até a certeza que nunca serão assim tão bons assim outra vez. Depois de 'This Is It' como de outros albuns aqui a musica mudou, evoluiu. Mesmo que o som não traga nada de muito novo, como é o caso, quando a perfeição é atingida o nivel de exigência de todos aumenta e isso só pode ser bom.
Um daqueles para levar para a ilha deserta...

Feliz 2010 a todos os bons meninos.(www.sobonsmeninos.blogspot.com)