30 setembro 2006

dead combo "quando a alma não é pequena vol.II" (2006)

A primeira banda portuguesa a vir para a estante são os Dead Combo, projecto do guitarrista Tó Trips e do multi-instrumentista Pedro Gonçalves. Este é o segundo album desta dupla formada em 2001. O som produzido têm um forte cunho cinematográfico, qualquer coisa de spagheti westerns e um pouco de pura saudade portuguesa, enfim... um álbum outonal que nos aquece enquanto a chuva cai lá fora. Apesar da ausência de vozes, a sonoridade tem bastantes semelhanças com Calexico e até Tindersticks. Um grande album para descobrir lentamente!

28 setembro 2006

dresden dolls "yes virginia" (2006)


Como é possivel que uma banda rock seja constituida por apenas dois elementos? É claro que nos vem logo à mente os white stripes. Pois bem, e se eu vos disser que os únicos instrumentos tocados são uma bateria e um piano? Assim a coisa já fica mais bizarra, tão bizarra que encaixa perfeitamente nas personagens em causa. Amanda Palmer, vocalista, pianista, autora de letras corrosivas, meias às listas pretas e brancas. Brian Viglione, baterista, fato e chapéu de côcô, mimo a fazer parecer. No palco são completamente explosivos! As músicas não lhes ficam nada a atrás. Yes Virginia é o segundo album de originais desta dupla de Boston, mais maduro e consistente que o homónimo Dresden Dolls editado 2 anos antes. O nome da banda surge de uma canção dos The Fall e o seu som tem claras influências de Kurt Weill e Tori Amos envolvido num ambiente de cabaret alemão do período entre guerras. Fortíssimo!

25 setembro 2006

sparklehorse "dreamt for light years in the belly of a mountain" (2006)


Cinco anos volvidos desde a última gravação de estúdio, surge hoje o lançamento mundial do mais recente trabalho de Mark Linous. Foi precisamente há 10 anos que os Spaklehorse se reuniram para elaborar o aclamado Vivadixiesubmarinetransmissionplot unanimemente considerado como a peça de arte elaborada pelo cantor/escritor/compositor/guitarrista Mark Linous. Passado este tempo todo os sparklehorse editaram mais dois álbuns sem o fulgor reconhecido ao primeiro. É dentro deste contexto saudosista que recebi este novo álbum dos Sparklehorse esperando sinceramente a espontaneidade criativa tivesse subitamente voltado com a recuperação total de Linous das dependências que quase o levaram á morte. Surpresa: Linous aparece melhor do que nunca reconciliando-se finalmente com o seu génio e a sua capacidade criativa. Para este trabalho, juntou alguns dos seu melhores amigos e os mais brilhante executantes: Scott Minor, Danger Mouse, Christian Fennesz, Stephen Drozd do Flaming Lips, o produtor David Fridmann, Sophie Michalitsianos e Johnny Hott sem esquecer a contribuição de fantástica do piano de Tom Waits. Garantido. Numa altura que as garantias raream.

22 setembro 2006

Susanna & The Magical Orchestra "Melody Mountain" (2006)


Duo norueguês composto por Susanna Wallumrød (voz) e Morten Qvenild (teclado). "Melody Mountain" apresenta covers audazes de uma forma emotiva e bem concebida. Para quem já achava admirável a interpretação de Jeff Buckley com tema “Hallelujah” aconselho vivamente a ouvir esta cover que não fica nada atrás. Assim como das várias versões existentes de “love will tear us apart” aqui encontram uma que arruína enumeras. Um álbum onde podemos descobrir músicas como “Hallelujah” (Leonard Cohen), “It´s A Long Way To The Top” (AC/DC), “These Days” (Matt Burt), "Condition Of The Heart" (Prince), "Love Will Tear Us Apart" (Joy Division), "Crazy, Crazy Nights" (Kiss), "Don´t Think Twice, It´s All Right" (Bob Dylan), "It´s Raining Today" (Scott Walker), "Enjoy The Silence" (Depeche Mode) e "Fotheringay" (Sandy Denny, Fairport Convention). Susanna & The Magical Orchestra criam uma personalidade musical própria com uma interpretação excepcional fazendo esquecer que se tratam de versões e parecendo verdadeiras composições com uma grande dose de melancolia do princípio ao fim. Recomendo ouvir mas com cuidado… passo a passo soltam-se emoções com muita facilidade…

"Enjoy The Silence" - Susanna & The Magical Orchestra

"Love Will Tear Us Apart" - Susanna & The Magical Orchestra

19 setembro 2006

Headman


Apresento-vos uma figura incontornável do movimento disco de momento, Headman. Depois de um álbum com remisturas de Franz Ferdinand (absolutamente genial) , Royksopp, Scissor Sisters, Mylo etc, surge o novo álbum intitulado "On". Confesso que conheço há pouco tempo, portanto ouço com a mesma intensidade o primeiro álbum como este último, que saiu este ano. A 1º faixa deste último álbum tem a presença de Anthony Roman, vocalista dos Radio 4, entre outros.
Para quem gosta de Electro e nunca ouviu nada de Headman, tem aqui uma boa descoberta.

17 setembro 2006

destroyer "destroyer's rubies" (2006)



Mais um grande álbum para a estante. Certamente que Destroyer's Rubies irá figurar entre os melhores de 2006, disso não tenho a mínina dúvida. Fã de David Bowie, o mentor desta banda canadiana começou a sua carreira a solo em 1995 e desde ai tem vindo a brindar-nos com obras deliciosas, sendo este o seu sétimo disco. A composição de Dan Bejar é fortemente influênciada pelo glam rock de Bowie, de voz aguda e coros celestiais, pincelados por piano e guitarras eléctricas. Todo este conjunto perfaz uma tela repleta de harmonia, que pode ser apreciada na faixa "european oils", para isso basta fecharem os olhos.

15 setembro 2006

Nine Horses "Snow Borne Sorrow" (2005)

“Snow Borne Sorrow” o primeiro álbum dos Nine Horses lançado em Outubro de 2005, com a composição brilhante de David Sylvian, o seu irmão Steve Jansen e Burnt Friedman, como se não bastasse com a colaboração do norueguês trompetista Arve Henriksen, a voz da sueca Stina Nordenstam e Ryuichi Sakamoto no piano. Elementos como jazz, pop, folk e electrónicos foram combinados numa beleza inquietante. Um projecto que vagueia por uma voz sedutora e insaciável, uma melodia sequestradora do meu quotidiano... A voz da Stina e o trompete de Arve dão um pequeno aconchego ao que já estávamos habituados em anteriores projectos de David Sylvian. Para quem ficou aficcionado pelos Nine Horses lembro que em meados de Novembro de 2006 está projectado o lançamento do segundo álbum “Money For All”. Apresento aqui um vídeo do primeiro trabalho com a música “atom and cell”, deixem-se enfeitiçar por esta bela melodia oferecida por este elenco de luxo...

14 setembro 2006

lambchop "damaged" (2006)




Este é o nono trabalho da banda de Nashville. De uma simplicidade tocante e arrebatadora, as músicas correm umas atrás das outras e vamo-nos deixando embalar pela voz suave de Kurt Wagner. "Damaged" é um album elegante com uma narrativa complexa e mordaz, por vezes capaz de nos fazer esboçar um sorriso. Para escuta está a faixa "a day without glasses".

08 setembro 2006

Inara George "All Rise" (2005)


Inara George, cresceu em Topanga Canyon (Califórnia), filha de Lowell George dos Little Feat e colaboradora de grandes nomes como Van Dyke Parks e Jackson Browne. “All Rise” surge como uma brincadeira na garagem por trás da casa de Mike Andrews, entre amigos e com muita diversão pelo meio. Com uma equipa de peso, desde o compositor, produtor e guitarrista Mike Andrews, autor de todas as músicas (e da banda sonora do filme “Donnie Darko”), a instrumentistas como Greg Kurstin (Beck, Ben Harper, Bobby Hutcherson), Chris Stillwell (Greyboy Allstars, tal como Andrews) e Pete McNeal (ex-Cake). O som enquadra-se num folk/pop/jazz(ocasional), com arranjos electrónicos constantes acompanhados de uma voz ternurenta e melodica. Um bom trabalho repleto de esperança e amor, iluminado pelo pôr-do-sol da Califórnia.

"Fools Work" - Inara George

07 setembro 2006

cocteau twins "lullabies to violaine" (2006)




Provenientes da Escócia e fundados em 1979, os Cocteau Twins tornaram-se uma das bandas mais influentes dos anos 80 e 90, prontamente reconhecida pelas melodias etéreas que resultam da voz de Liz Fraser e da guitarra de Robin Guthrie. A sua importância foi de tal ordem que definiu a imagem da editora 4AD, uma das mais importantes de música alternativa. Este lullabies to violaine é uma recolha de ep´s, singles e lados b desde 1982 até 1996, que se reflecte em 59 músicas em 4 cds e dois volumes. Uma obra indispensável deste grupo carismático e único. Deixo uma pequena amostra da viagem que vos espera ao som da indescritível voz de Liz Fraser. A faixa chama-se Serpenskirt.

06 setembro 2006

Francesco Biondi "Pinax" (2006)


De origem italiana, Francesco Biondi, vive e trabalha em Bolonha. Por essa terra que formou poetas como Dante e Petrarca, Francesco encontra Bolonha como o cenário ideal para sua inspiração. Estreou-se a solo em 2005 com “Camera Sintetica”, um álbum excepcional que recomendo vivamente, tal como este “Pinax” lançado em 2006 com um piano sempre fortíssimo uma voz mais que possante e vigorosa. O pianista melancólico oferece um som que passeia pela música electrónica, gótica, indie e ambiente. Numa entrevista refere como principais influências musicais: aphex twin, john zorn, mike patton, cornelius, flanger, sakamoto, david sylvian e frank zappa, no entanto... a sua disposição nos momentos de composição é dominada essencialmente por música clássica. Deixo aqui um link onde podem ouvir os dois álbuns referidos acima, bem como outras faixas e projectos em conjunto deste jovem bastante habilidoso!

husky rescue "country falls" (2005)


Da vaga de novos talentos nórdico resolvi trazer hoje uma banda que está já há algum tempo toca no meu “Windows media player” lá do escritório. Trata-se de uma jovem banda (começou em 2002) Finlandesa que dá pelo nome de Husky Rescue. Na verdade esta banda é fruto da imaginação de Marko Nyberg, conceituado produtor e compositor de música finlandês, que decidiu formar uma banda de música pop. Em 2005 lança o álbum Country Falls afirmando a sua música no universo chamber-twee-pop bem ao estilo de Architecture in Helsinki, Softies ou mesmo até Belle and Sebastian. Este álbum contou com a participação de diversos músicos motivando a incorporação de alguns para as suas actuações ao vivo. Assim há que contar com a presença de Reeta-Leena Korhola (voz), Ville Riippa (teclados), Anssi Sopanen (bateria e sintetizadores) and Miika Colliander (guitarra) na concepção e execução do imaginário do senhor Nyberg.


Pop sem dúvida cerebral, sem dúvida relaxante, sem dúvida fotográfico… uma certeza a descobrir.

05 setembro 2006

Concerto de Herbert


É verdade, Matthew Herbert dia 18 de Outubro na casa da Música para apresentar o seu novo álbum de originais "Scale". Este último, consegue felizmente apagar o seu anterior trabalho "Plat du Jour", que deixou muito a desejar. Neste disco, Herbert consegue misturar sons tãos variáveis como o som da água, de pedras, bombas de gasolina,electrodomésticos, brinquedos,etc e fabricar músicas extremamente dançáveis. O total de instrumentos utilizados ultrapassam os 600, utilizando como vozes a habitual Dani Siciliano (também vai lançar um álbum de originais) e Neil Thomas.
Concerto a não perder!

04 setembro 2006

merz "loveheart" (2005)


O álbum que agora vos apresento é o segundo do multi-instrumentista Conrad Lambert. Depois de em 1999 o senhor Lambert ou Merz (como preferirem) ter editado, sob alçada da Sony, o fabuloso álbum homónimo tivemos de esperar seis longos anos até o poder ouvir novamente. Após vários anos de procura pessoal e de viagens intermináveis, Merz assentou em Bristol para formalizar este espantoso Loveheart (já sob a alçada da Gronland). Praticando música difícil de enquadrar, recorrendo a diversos instrumentos (que o próprio toca) e uma mistura electrónica indelével; Merz surgiu em força e de boa saúde. Loveheart é um álbum em que os sintetizadores desenham experiências e emoções com uma intensidade dramática incrível transformando as simples melodias em momentos de puro prazer. Para este reencontro muito contribuíram os excelentes executantes (Charlie Jones, John Baggot e Even Johansen) e a fabulosa orquestração/co-produção de Bruno Ellingham (produtor dos New Order).

Roommate "Songs the Animals Taught Us" (2006)




Em 2000 Kent Lambert mudou-se de Iowa City para Brooklyn N.Y. após terminar o seu curso na universidade de Iowa, levando consigo o seu amigo Noah Minnick que se tornou o seu roommate. Kent começou por escrever silly lyrics como ele próprio afirma, mas ao contrário dele Noah não concorda e incentiva-o a perpetuar as tão desprezadas letras pedindo-lhe para passar um fim-de-semana a arquitectar músicas (diz ele que não conseguiu num fim-de-semana precisou de dois!). Em Abril de 2001 escreve e grava "(RP) forget the metaphors", nessa altura apercebeu-se que já tinha bastante material e que afinal até teria alguma qualidade… surge assim o projecto “Roommate”. Num estilo pop/indie/experimental apresenta um som inteligente e deveras cativante. Recomendo este álbum que me atraiu bastante deixo-vos um cheirinho do mesmo com a música "Tuesday". Estou curiosa na evolução de Kent Lambert e em como será o seu próximo álbum... cá ficarei à espera!

03 setembro 2006

final fantasy "he poos clouds" (2006)




Este ano de 2006 tem sido uma boa surpresa em relação à qualidade de albuns editados. O segundo trabalho de Owen Pallett, violinista da banda canadiana Arcade Fire, é um claro exemplo disso. São músicas onde o violino e a voz dominam, com a bateria a intrometer-se de vez em quando. Owen é um músico e compositor virtuoso, munido do seu violino e de um pedal de repetição?! (looping pedal), faz-nos sentir que por trás dele existem mais cinco ou seis músicos, quando na verdade tudo é obra de uma só pessoa. Este é um concerto que vale a pena ver, já que a versatilidade de um violino pode provocar calafrios (considerem-se avisados). Aproveito para divulgar a sua presença por palcos nacionais em Outubro, com actuações agendadas em Leiria (14), Lisboa (15) e Famalicão (16). Um concerto a não perder! Para já aqui fica a faixa "many lives 49 mp". Bom proveito!

The Knife: O álbum de verão



Eis uma banda que acariciou os ouvidos este verão, The Knife. Um duo sueco, que já teve nomeações para melhor álbum e banda do ano. Contam com dois álbuns, tendo sido lançado este ano o Silent Shouts, sem dúvida uns dos melhores álbuns que ouvi este ano e que listará nos "álbuns do ano". Esta banda caminha pela electrónica, cativando qualquer apreciador de música pop.


The Knife - Marble House

02 setembro 2006

Hanne Hukkelberg "Little Things" (2005)



Norueguesa de Kongsberg, nascida no ano de 1979, aos 3 anos de idade já advinhava o seu talento, cantava e tocava vários instrumentos. Do seu currículo fazem parte projectos de jazz, rock progressivo e metal. Aos 26 anos dá prova da magia que nasceu com ela neste fabuloso album "Little Things". Este primeiro trabalho a solo de Hanne Hukkelberg percorre caminhos da folk, pop e electrónica, tudo em estilo lo-fi. É indescritível... os sons caem suavemente e cada vez que ouvimos descobrimos uma viagem nova ao mundo da fantasia. "Little Things" apresenta melodias infantis recomendadas para adultos. Explora e concilia sonoridades diversas desde os instrumentos mais tradicionais a adereços musicais pouco comuns improvisados num mundo imaginativo que só ela descobre e para nosso apreço transmite na perfeição...

Apresento aqui um video do novo single "Cheater’s Armoury" (2006), espero que gostem:)

01 setembro 2006

jens lekman "when i said i wanted to be your dog" (2004)




O ecletismo vindo da Suécia, tendo como inspirações notórias Morrissey, Stephin Merrit e Neil Hannon. Este é o primeiro trabalho de Jens Lekman após a edição de vários cêdê-érres sob o nome de Rocky Dennis. As letras fazem-nos sorrir, não pensamos em demasia porque tudo está implicito, no entanto a complexidade existe se a soubermos ver. Músicas simples e minimalistas alternam com outras mais orquestradas a fazer lembrar Magnetic Fields e Divine Comedy, respectivamente. Deixo-vos a faixa "cold swedish winter".

amadou & mariam "dimanche a bamako" (2005)


Amadou e Mariam são um duo proveniente do Mali que espantaram a Europa e o Mundo com o quarto álbum de originais que agora vos apresento. O casal conhecido como “o casal cego do Mali”, conheceram-se no instituto de Maliano de jovens cegos. Nessa altura Amadou era um conhecido músico dos Les Ambassadeurs du Hotel e Mariam uma jovem cantora que aprendendo Braille também cantava na Institute's Eclipse Orchestra. Casaram-se em 1980, três anos depois de se terem apaixonado, começaram um périplo (Burkina Faso, Costa do Marfim, França) de 12 anos tentando impor a sua música enquanto duo. O seu estilo baseado na guitarra de Amadou, a voz primorosa de Mariam, violino Sírios, trompetes cubanos, flauta Egípcia, “tablas” Indiano e percurssão; finalmente obtive o reconhecimento merecido com este álbum produzido pelo Manu Chao. Dimanche a Bamako é um manifesto afro-beat-pop que descola definitivamente do afro-beat intervencionista de Fela Kuti para atingir o universo pop europeu. Uma lufada de ar fresco proveniente do País com os músicos mais surpreendentes de toda a África.


bad plus "suspicious activity?" (2005)


Os Bad Plus são um trio americano constituído por piano (Iverson), contrabaixo (Anderson) e bateria (King). Frequentemente reportados como divulgadores o novo movimento free-rock-jazz a base da sua música é contudo o jazz tradicional com grande dose de improviso (free-jazz) e fascínio claro pela música rock e electrónica contemporânea. O terceiro e ultimo álbum – Suspicious Activity?, é o que agora vos apresento numa descoberta que aconselho a todos.

Novo álbum de Bob Dylan: Modern Times



Estreio-me neste blogue com um post dedicado a Bob Dylan. Não que tenha um conhecimento muito vasto sobre a sua longa carreira musical, mas as influências que ele incutiu em várias gerações e as massas que movimentou durante as décadas de 60 ,70 e 80 levam-me a que lhe dedique o meu post de estreia.
Como sabem, foi lançado o "Modern Times", o seu xxxgésimo álbum, confesso que o meu conhecimento deste novo trabalho é reduzido, apenas ouvi uma música, mas será certamente um álbum do qual muito se comentará.

goran bregovic "songbook" (2000)


Os grandes albuns resultam de grandes compositores. Quando grandes compositores se juntam a grandes interpretes fazem-se criações sublimes, como é o caso deste songbook. Com participações de Iggy Pop, Cesária Évora, Scott Walker, a falecida Ofra Haza e até Johnny Depp. São músicas que nos fazem recordar grandes filmes de Emir Kusturica; Underground, Arizona Dream e Le temp de Gitans, estes os que mais me marcaram. Se ainda nao viram os filmes, consideram este albúm como um aperitivo. Com ele, eu continuo a viagem pela europa de leste.